Você sabia que Leonardo da Vinci foi o primeiro a descobrir como se dá a visão?

Jéssica Marques

Volte no tempo. Para ser mais preciso: cinco séculos. Foi durante o “Renascimento”, movimento artístico que transformou o modo de vida da época ao colocar o homem no centro do universo. Dentre os nomes e as obras que se destacaram durante o período, estão o ícone Leonardo da Vinci e sua “menina dos olhos”, Mona Lisa. A pintura, também conhecida como Gioconda, é uma das damas do Museu do Louvre (Musée du Louvre), em Paris, ao lado da Vênus de Milo e da Vitória de Samotrácia.

O olhar enigmático de Mona Lisa

O autor da Mona Lisa, obra caracterizada por seu olhar enigmático, demonstrava interesse em diversas áreas do conhecimento. O pintor, escultor, músico, arquiteto, engenheiro, cientista e inventor, também foi anatomista. Essa é a razão pela qual suas obras são retratos fiéis do corpo humano.

Leonardo da Vinci aproximou-se da anatomia humana enquanto trabalhava como aprendiz no ateliê de Andrea del Verrocchio –  proeminente pintor florentino. Mas o que poucos sabem é que ali surgiu o fascínio do artista pelo corpo humano.

Ao longo da vida, Da Vinci realizou inúmeras experiências com os “apavorantes corpos esquartejados”, como ele próprio os chamava. Leonardo entendia que a anatomia, tanto quanto a geometria, era peça fundamental da pintura. Todavia, no centro de tudo, segundo Da Vinci, estava algo que ele julgava o mais importante: o olhar. Para ele, os olhos são a principal via do conhecimento – o que fazia da pintura a mais elevada de todas as artes.

Leonardo fez mais de 200 desenhos sobre a fisiologia humana e é autor de um desenho da cabeça humana em que posicionou de maneira impressionante os nervos cranianos. Da Vinci é considerado o maior curioso da História. Questões como “quais tendões movem o braço?” e “como se produz um sorriso?” apresentam-se com frequência em seus manuscritos.

Estudos sobre cérebro, caixa e nervos cranianos, registrados nos Cadernos Anatômicos de Leonardo da Vinci.

Como a visão ocorre

Em seus experimentos, da Vinci manteve uma teoria de como os olhos detectam as imagens que enxergamos. Ele acreditava que a luz era uma força que levava raios visuais até os olhos e atravessava a pupila até o nervo óptico. Seu inesgotável interesse fez com que ele estudasse em profundidade a anatomia do olho, até explicar, pela primeira vez, que a visão sucede por meio da entrada de luz pelos olhos.

O trabalho e as descobertas de Leonardo da Vinci sobre o corpo humano permanecem como referência para a Medicina até os dias de hoje, é o que afirma o professor de Anatomia, do curso de Medicina, da Faculdade da Saúde e Ecologia Humana – FASEH, Márcio Alberto Cardoso.

“Da Vinci teve grandes méritos em relação aos estudos anatômicos. Ele fez desenhos tridimensionais impressionantes, do esqueleto humano. Nos quais retratou cortes anatômicos, que são hoje uma rotina em tomografia e ressonâncias magnéticas. Da Vinci também foi um precursor no estudo da anatomia macroscópica”, conclui Cardoso.

Além de análises do corpo humano, Leonardo exibe em suas obras a marca do olhar. Ele afirmava que “a visão se deixa iludir menos do que qualquer outro sentido”. O pintor, então, explorava ao máximo a capacidade dos próprios olhos para perceber luz e sombras, posição e distância, movimento e repouso de tudo ao seu redor.