Treinar o seu cérebro pode fazer com que você se mantenha jovem por muito mais tempo

Luana Rodrigues

Não é segredo que para manter a saúde em dia, precisamos de uma boa alimentação, boas noites de sono e praticar atividades físicas para manter o bom funcionamento do nosso corpo e o aumento da qualidade de vida. Mas, você tem praticado atividades para melhorar a sua saúde mental?

Além da prática de exercícios para o corpo, atividades como aprender uma nova língua ou tocar algum instrumento podem contribuir com o bom funcionamento do seu cérebro.

Assim como o nosso corpo, o cérebro também precisa de exercícios regulares para funcionar bem. A prática de determinadas atividades promove o estímulo da memória e do aprendizado, mantendo as suas células nervosas ativas, podendo evitar possíveis danos no funcionamento do cérebro.

Uma rede de conexões

Imagine que você está em um safári na África. Durante um dos seus passeios você se depara com uma situação de perigo. Imagine um leão, com os olhos bem famintos se aproximando. O que você faz?

É bem provável que instintivamente, as suas pernas se movimentam rapidamente, o seu coração acelera e a adrenalina é liberada em seu corpo. Sabe porque isso acontece? São 86 bilhões de células nervosas enviando comandos para que o seu corpo reaja dessa maneira.

Interconectadas dentro do nosso cérebro, essas células, ou, os chamados neurônios, armazenam informações e estímulos e os conduzem para o nosso corpo através de impulsos nervosos, permitindo a criação da nossa percepção de realidade.

Mas, se os neurônios estão associados ao funcionamento do nosso corpo, existe alguma relação entre neurônios e a nossa idade? É possível perceber que, quanto mais velhos ficamos, o nosso corpo fica mais lento e atividades que fazíamos antes se tornar mais difíceis, mas, como isso acontece?

De acordo com a pesquisa Dinâmica da Neurogênese Hipocampal em Humanos Adultos, realizada na Suécia e divulgada pelo periódico Cell, cerca de um terço dos nossos neurônios se renovam constantemente ao longo da vida. Isso significa que, enquanto alguns neurônios estão morrendo, outros estão nascendo.


A busca por atividades novas ou que não sejam comuns no dia a dia ajudam a fortalecer as conexões neurais

 

Então, o que muitas pessoas pensam sobre “quanto mais velho ficamos, mais neurônios perdemos” está errado. O nosso cérebro possui a capacidade de mudar ao longo da vida, a chamada plasticidade cerebral.  Com ela, é possível que o cérebro se reestruture diante de alguma condição, como por exemplo, a perda de neurônios ou algum dano que sofremos no cérebro.

Quando perdemos neurônios acontece uma adaptação cerebral para que as conexões sejam recuperadas – a chamada neurogênese, ou, nascimento de novos neurônios. Isso acontece em uma região importante do nosso cérebro: o hipocampo.

Os benefícios de novos neurônios

O hipocampo é a área do cérebro associada à memória, ao humor, a emoção e ao aprendizado e é por lá que grande parte dos novos neurônios são gerados.  

Quando novos neurônios nascem, mais uma vez, o nosso cérebro se adapta para que as conexões entre os neurônios novos e os já existentes, sejam reestruturadas e você continue realizando atividades de forma satisfatória.

Esses novos neurônios são importantes para manter o bom funcionamento do nosso corpo, em especial ao aprendizado e a memória. Não apenas memorizando as coisas, mas, mantendo a qualidade daquilo que nós estamos armazenando, podendo prevenir também o declínio associado a envelhecimento.

 

 


É importante entender que o nosso cérebro aumenta o seu desempenho da época que somos bebês até atingirmos o auge da nossa vida – por volta dos 40 anos. A medida que envelhecemos a sua performance cai, de maneira natural, por isso que o cérebro de um idoso, age mais lentamente em suas decisões e ele passa a lidar com informações de maneira menos eficiente.

Mas, vale lembrar que é possível fortalecer o nosso cérebro, mesmo com os avanços da idade, para que ele não deixe a desejar.

E afinal, como podemos estimular a produção desses novos neurônios e conquistar todos esses benefícios?

Como treinar o seu cérebro

O nosso cérebro precisa de novos desafios para manter-se ativo e estimulando a criação de novos neurônios. Precisamos trabalhar algumas habilidades como, raciocínio, lógica, linguagem e atividades motoras, que podem ser grandes aliadas.


A prática de atividades físicas como caminhada e hidroginástica são aliadas no bom funcionamento da nossa memória

Diversos estudos relacionados à neurociência e a criação de novos neurônios reforçam a importância de estimular o seu cérebro, por exemplo, realizando atividades diferentes das que você está acostumado a fazer.

Testes realizados em humanos, pelas Universidade de Pittsburgh, Illinois, Rice e Ohio State, nos Estados Unidos, publicado pela revista especializada “Proceedings of the National Academy of Sciences” mostrou um aumento do tamanho do hipocampo em adultos saudáveis, após um ano de atividade física moderada, e resultaram em um aprimoramento da memória.

Lembrando que, além da prática física, é importante manter uma alimentação balanceada. Alguns alimentos contêm substâncias que facilitam a comunicação entre neurônios. Zinco, Selênio, Ferro e Fósforo ajudam a manter o cérebro acordado e ativo.

Vitaminas do complexo B como, peixes, castanhas, vegetais verdes, ajudam a regular as transmissões de informações entre os neurônios. Também presente em peixes, o ômega-3, possui características anti-inflamatórias, que podem evitar a morte dos neurônios.

Outra vitamina aliada aos neurônios é a colina, presente na gema do ovo e em sementes e grãos. Ela participa na atividade da construção da membrana de novas células cerebrais.

Aprenda um novo idioma ou toque um instrumento musical

Praticar uma nova língua também pode apresentar resultados importantes para a nossa atividade cerebral. Entre os benefícios está a redução das chances de risco de doenças como o Alzheimer ou demência.

Um estudo publicado pela Academia Americana de Neurologia, apontou que aprender um novo idioma ajuda na proteção das nossas memórias. Nos resultados encontrados, os pesquisadores perceberam que pessoas que falavam quatro ou mais idiomas, tinham cinco vezes menos chances de desenvolver problemas cognitivos em comparação com quem falava dois idiomas.

Outro destaque é a prática de atividades que testam os seus reflexos e coordenação motora, que estimulam as conexões entre os neurônios. Tocar algum instrumento musical estimula as áreas de coordenação motora, visão e audição, além de estimular a memória.

Apesar de ainda ser cercado de mistérios, o nosso cérebro requer uma atenção especial para um bom funcionamento. Lembre-se de praticar atividades que estimulem um esforço além do que você está acostumado. Quanto mais você o exercitar, melhor será o resultado!

Saiba também quantas horas de sono são necessárias em cada fase da vida e em como a falta de sono pode afetar a sua memória.